A importância de uma arquitetura mais calma

Abrindo o Estadão de hoje, encontrei uma bela capa do Caderno 2, com o título: “Urbes Mutantes“. A reportagem trata sobre a cidade de São Paulo, desde o ponto de vista da arquiteta e urbanista Elizabeth de Portzamparc. Com um diálogo claro e preciso sobre meios de transporte, moradia, a relação da arquitetura com espaços públicos e materiais de construção, ela nos faz entender que o caminho que estamos traçando para as cidades brasileiras ainda está bem longe de uma cidade ideal.

Algumas das frases mais interessantes que destaquei na reportagem:

“Nos projetos públicos, em geral, os júris são compostos de pessoas ligadas a esse dogma de edifícios  retangulares, quadrados, uma arquitetura de caixote ou de agulheiro. Acho uma pena, porque isso limita inclusive os arquitetos paulistas. (…) A cidade precisa de uma imagem mais dinâmica, mais solta, mais leve.”

“Frank Gehry cria contexto. Há edifícios que dialogam com o contexto, ele cria contexto. Então, se cada arquiteto criar um contexto perto do outro, o que vão se tornar as cidades?”

“É importante que a arquitetura média seja calma e pontuada de edifícios simbólicos.”

“Elizabeth defende que São Paulo intensifique o uso do concreto por razões ecológicas, e tem certa restrição ao uso do vidro. O vidro é um material que não é nada sustentável. Os vidros espelhados são uma imagem americanizada que criam efeito de estufa.”

Anúncios

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s